Tipos do Papel: Edição 10

FLOR-POST:

Esse papel é fabricado com celulose branqueada, com peso 30g/m2 normalmente. Pode ser branco ou coloridos (azul, verde, rosa, canário e ouro) e apresentar um acabamento alisado ou monolúcido. Ele é vendido majoritariamente por meio da revenda, no formato 66 x 96 cm e sua aplicação consiste basicamente em vias de correspondência e talões de notas. O Flor-Post também é conhecido como “Segundas Vias”.

HELIOGRÁFICO:

O papel Heliográfico é feito com celulose branqueada, com baixo teor de ferro, bem colado e com acabamento alisado. Ele pode ser branco ou levemente colorido e as gramaturas podem variar de 40 a 120 g/m². Esse papel passa por um tratamento com produtos sensíveis para ser usado, posteriormente, em cópias pelo processo heliográfico. É vendido em bobinas diretamente aos produtores de papel para heliografia.

ILUSTRAÇÃO:

Esse é fabricado também com celulose branqueada e elevada carga mineral com cerca de 20% de cinzas, ele é absorvente e super-calandrado. Além disso, é muito utilizado na impressão tipográfica, na confecção de revistas, livros, catálogos, folhetos e outros. Pode ser obtido por meio da revenda, nos formatos 66 x 96, 76 x 112 e 87 x 114 cm e com peso que pode variar de 75 a 120 g/m2. E, também, diretamente da fábrica pelas gráficas e editores de livros e revistas.

MIOLO:

Miolo é o nome do papel fabricado para confeccionar aquelas ondas do papelão ondulado. Ele é fabricado com celulose geralmente semi-química de madeira ou de resíduos agrícolas, como bagaço de cana e palha de arroz. Possui um acabamento alisado, geralmente comercializado em bobinas com peso de 120 a 150 g/m2, diretamente pelas fábricas aos fabricantes de papelão ondulado.

PAPEL AUTOCOPIATIVO

Não estamos falando do papel carbono. O papel autocopiativo pode ser apergaminhado ou off set e é revestido por um processo químico de microcápsulas e reagentes, que permitem gerar cópias sem a de utilização de papel carbono. Apenas com a pressão ou com o impacto na primeira folha, o sistema de reprodução de imagem é acionado. O papel autocopiativo é muito utilizado em impressos comerciais e bobinas para terminais de ponto de venda (PDV).

Confira os tipos de acabamentos

Para cada tipo de impressão existe um acabamento. Os acabamentos podem ser cartonados ou capa dura, capa mole ou brochados, livros cosidos de capa mole, dupla costura metálica ou agrafados ou até mesmo o acabamento mecânico. Confira abaixo um pouco sobre cada um desses.

Cartonados ou capa dura: Nesse processo, as capas e as páginas do miolo são produzidas separadamente. As páginas do miolo são feitas de peças de cartão rígido ou flexível, posteriormente revestidas com outros materiais (papel, tecidos e outros). Seixa é o nome dado à diferença entre as medidas da capa que são superiores às do miolo aparado. Depois que o miolo é alçado e cosido, duas guardas são coladas nele para que seja fixado à capa cartonada. Esse tipo de acabamento é sempre mais caro que o acabamento de capa mole, no entanto ele compensa na durabilidade.

Capa mole ou brochados: O processo desse acabamento como dito anteriormente, é mais barato e é voltado para produtos com pouca utilização e longevidade. Os cadernos são dobrados, alceados e depois a lombada é desfiada com um equipamento do tipo rebarbadora. Em seguida, aplica-se cola quente na lombada preparada para fixá-la à capa. Feito isso, os lados são aparados por meio de uma guilhotina trilateral. Geralmente, esse processo é utilizado para produzir revistas, catálogos, etc.

Livros cosidos de capa mole: o processo é igual o anterior, mas após o alceamento dos cadernos, eles são unidos através de uma costura especial. Esse tipo de procedimento tem as vantagens de nunca deixar que as folhas soltem, o fato de poder abrir o livro em 180 graus e ser mais barato que o cartonado. Ele é bastante utilizado no mercado editorial em livros profissionais, livros escolares e manuais.

Dupla costura metálica ou Agrafados: Já neste processo é feito um encasamento dos cadernos por meio de uma introdução uns nos outros, sendo aplicados agrafos na lombada e aparadas as três laterais. Dos acabamentos mecânicos ou que utilizem cola, este é o mais barato e é utilizado em jornais, brochuras, folhetos e outros que tenham espessura menor que 5 mm.

Acabamento mecânico: Por último, mas não menos importante, no método de acabamento mecânico, é feita uma furação especial no produto ao longo da margem da lombada, onde será introduzida uma espiral de arame ou uma placa de vinil. Podemos confirmar isso em manuais, livros de receitas e outros.

Tipos de papel: Edição 7

E hoje é dia de conhecermos mais papéis.

Couchê L2:

Entre os papéis revestidos para impressão, o papel couchê se destaca. Esse tipo de papel possui um revestimento Couchê Brilhante em ambas as faces, proveniente da aplicação de uma tinta especial à base de cargas minerais (pigmentos) e ligantes. Dependendo da formulação e da quantidade de tinta aplicada e do acabamento que o papel vai receber, podem surgir diferentes tipos de papel couchê. Suas aplicações são em livros, revistas, catálogos, peças promocionais, relatórios de luxo e outros.

Couchê Monolúcido:

Esse papel possui o revestimento couchê brilhante apenas em uma das faces, alisado no verso para evitar permeabilidade no contacto com a água ou humidade. Suas aplicações são em embalagens, papel fantasia, rótulos, out-doors, base para laminação e impressos em geral.

Couchê Matte:

O papel couchê Matte possui um revestimento couchê fosco nos dois lados, ou seja, sem brilho. É um papel que oferece vantagens ao impressor, pois combinam algumas vantagens de impressão dos papéis brilhantes e dos papéis não revestidos. Ele apresenta uma secagem mais lenta, por isso é apropriado utilizar tinta de secagem rápida. Nas impressões offset, a reprodução nesse papel é muito superior. As suas aplicações são em impressão de livros em geral, catálogos e livros de arte.

Couchê Textura:

Esse papel vem com revestimento couchê brilhante nos dois lados podendo ter as texturas gofrado, panamá e skin (casca de ovo). Suas aplicações geralmente são em livros, revistas, catálogos, encartes, sobrecapas e folhetos.

Couchê Cote:

É um papel branco com revestimento couchê de alto brilho de um lado e do outro branco fosco.

Color Cote:

Papel revestido com camada couchê de alto brilho “Cast Coated” em cores pastéis e intensas: azul, verde, rosa, amarelo, chamoi vermelho, preto, prata e ouro, verso branco fosco.

Tipos de papel: Edição 5

Cartões de 1ª

Os Cartões 1a englobam uma gama de cartões e cartolinas, fabricado com celulose branqueada somente, podendo ser branco ou colorido. São bem colados com acabamento monolúcido, ou seja, com brilho em uma das faces, alisado e comercializado através da revenda. Os cartões 1a servem para fazer aplicações em capas, pastas, convites, encartes fichas e outros dessa linha. O Cartão bristol e o cartão ficha, que descrevemos separadamente, são exemplos desses cartões 1a.

Cartões de 2a

São iguais aos cartões 1a, exceto por uma pequena diferença, são fabricados exclusivamente com pasta mecânica e/ou aparas limpas, disponíveis em diversas cores, para as mesmas aplicações dos cartões 1a.

Cartão Ficha

Como dissemos logo acima, o cartão ficha é o cartão 1a com o acabamento super lustrado/acetinado, geralmente fabricado no formato 66 x 96. Os pesos podem variar desde 110 a 200 g/m2. Além disso, ele é comercializado por meio da revenda e pode ser encontrado nas cores ouro, canário, azul e verde. Esse tipo de papel é mais utilizado como ficha de contabilidade. Se for branco, é chamado de Registro (ledger) e é normalmente utilizado para documentos.

Cartão Iris

Dependendo do fabricante, o Cartão Iris pode receber outras nomenclaturas. Ele é fabricado com uma textura marmorizada, super-calandrado, voltado pra capas e similares. Além disso, é comercializado por meio da revenda no formato 66 x 96 cm, com 220 g/m2. As cores disponíveis são branco, azul, canário, laranja, rosa e verde.

Cartolina

A Cartolina é um intermediário entre papel e o papelão. Ela é obtida por meio da colagem e prensagem de outras folhas, dependendo da grossura pode ser chamada de cartolina ou papelão. Se a folha pesar 180 g ou mais por m2, ela é chamada de cartão. Se pesar menos que 180g/m2 é apenas papel. Denomina-se papelão, quando tem mais de meio milímetro de espessura.

 

Tipos de papel: Edição 4

Cartão Branco

É o nome universal dado a diversos cartões e cartolinas, de tipos variados e usados para muitas finalidades. É muito utilizado em trabalhos escolares em geral.

Cartões de 1a

Abrangem uma variedade de cartões e cartolinas, brancos ou coloridos, fabricados exclusivamente com celulose branqueada. Suas principais características são o acabamento monolúcido, a colagem bem feita e a superfície alisada. Ele é comercializado por meio de revendas e serve para diversas aplicações como pastas, capas, convites, encartes fichas e outros. Você também encontra esse tipo de cartão com outros nomes, dependendo do fabricante, por exemplo o “Cartão branco monolúcido”, que é fabricado com até duas camadas, pesos elevados a partir de 200g/m2, podem ser usados para a confecção de embalagens finas para artigos de toucador, comestíveis, etc, e com as mesmas características básicas de impressão e comercialização do papel Duplex 1a.

Cartão Bristol

Esse cartão é o Cartão 1a, mais conhecido pelos nomes genéricos “cartão branco” e “cartolina branca”. Sua fabricação consiste na colagem de duas folhas de papel monolúcido de 1a. A produção dele é em menor escala com apenas uma folha e por isso é menos rígido, menos encorpado. Comercializado nos formatos 55 x 73, 50 x 65 e 56 x 76 cm, com pesos 180, 240, 290 e 340g/m2.

Cartão Bristol Cores

É o Cartão Bristol só que fabricado nas cores características: azul, verde, rosa, canário, abóbora, cinza e palha. Pode acontecer de incluírem neste tipo de cartão aparas limpas e/ ou pasta mecânica, o que torna o produto menos apreciado.

Cartão Chinê

Próprio para capas e similares, esse tipo de papel é fabricado com uma pequena quantidade de fibras longas e tingido com uma cor característica, comercializado através da revenda no formato 66 x 96 cm com 150g/m2. Suas cores são conhecidas por número de 1 a 5 e não por nomes.

 

Tipos de papel: Edição 3

Bouffant 2a:

É igual o bouffant de 1a., fabricado também com celulose branqueada e elevada carga mineral, mas com a inclusão de pasta mecânica na sua formulação. Usado e comercializado da mesma maneira (veja na edição 2), mas é voltado para serviços de qualidade inferior.

Capa (ou “liner”):

Esse é fabricado basicamente com celulose semi-química, misturada eventualmente com pasta de resíduos agrícolas e/ou aparas. Os principais tipos são fabricados em duplex, com uma camada mais limpa, geralmente de celulose não branqueada, isolada ou misturada com os materiais da parte inferior. Podem ser encontrados os tipos alisado ou monolúcido, geralmente de 170 a 250 g/m2. Esse tipo de papel é comercializado em bobinas diretamente para as fábricas de papelão ondulado.

Capas e similares:

São produtos fabricados com aparas e/ou pasta mecânica. Nos tipos com qualidade superior são adicionadas pequenas quantidades de celulose, geralmente sulfito não branqueada, com acabamento monolúcido ou super-calandrado. Esse material é comercializado pela revenda ou diretamente pelas fábricas, voltado para tipografias na confecção de capas de talões de notas, blocos, cadernos, talões de cheques e impressos de maneira geral. Seu peso varia de 100 a 200 g/m2, sendo o formato 66 x 96 cm mais disseminado. As cores mais comuns são: cinza, creme, palha, azul, rosa e outras. Os tipos com maior destaque são: O CARTÃO AG, o CARTÃO CHINÊS e o CARTÃO IRIS.

Carbono:

Esse tipo de papel é fabricado com celulose de fibras têxteis e/ou celulose de madeira com o intuito de servir como base para fabricação de papel carbono. Ele pode ter um acabamento alisado ou monolúcido, branco ou colorido, de 11 a 25 g/m2 e é comercializado pelas fábricas diretamente aos produtores de carbono.

Cartão AG:

É um produto similar ao Capas e Similares, monolúcido, comercializado através da revenda no formato 66 x 98 cm., com o peso 110 g/m2. Disponível nas cores características, principalmente: cinza, laranja, rosa, verde, azul e canário. Por ser muito usado para fazer capa de cadernos, são vendidos diretamente pelas fábricas aos caderneiros.

 

História da imprensa: a evolução das técnicas de impressão.

Ao longo dos séculos, a invenção e o refinamento das técnicas de fabricação de papel na China tornaram possível a invenção da imprensa. A China já contribuía na divulgação da palavra impressa muito antes de Gutenberg, quando inovava nas tintas, na impressão xilográfica e na impressão com caracteres móveis em argila.  Continue lendo “História da imprensa: a evolução das técnicas de impressão.”

SCSI: princípios, tipos, componentes e terminações.

Existem caminhos dentro do computador que levam informação e energia de um lugar para outro, chamados barramentos. Um exemplo é quando você conecta um MP3 player ou uma câmera digital ao seu computador, através de uma porta USB, que transporta dados e eletricidade para pequenos dispositivos – como os que criam e armazenam fotos e arquivos de música. No entanto, esse barramento não é o suficiente para suportar um computador inteiro, um servidor ou vários dispositivos simultaneamente. Continue lendo “SCSI: princípios, tipos, componentes e terminações.”