Dispositivo que imprime em 3D pode ultrapassar impressoras comuns.

O Pocket NC é um aparelho que imprime quase todo tipo de material por meio de um processo inverso utilizado nas impressoras 3D tradicionais. Essa nova tecnologia está com um projeto de arrecadação no Kickstarter, um site de financiamento coletivo muito conhecido.

O dispositivo passou quatro anos em fase de desenvolvimento. Ele é denominado como a primeira fresadora, máquina de movimento contínuo, com Controle Numérico de Computador que apresenta cinco eixos para desktop. Logo, o aparelho é controlado por uma série de códigos e números de saídas por um PC.

A técnica de impressão do Pocket NC é oposta as impressoras 3D tradicionais. Ela subtrai o material por meio de uma base pronta e sólida que funciona para “revelar” o objeto. A máquina é controlada por um BeagleBone Black, compatível com os sistemas Windows, Mac e Linux.

A Pocket NC possui conexão de rede Ethernet e custa a partir de U$3.300, aproximadamente R$10.179,18 e começará a ser entregue em dezembro de 2015, as entregas internacionais só iniciam em 2016.

Já imaginou imprimir música? Veja!

Nós já sabemos que com a impressora 3D somos capazes de imprimir tudo ou quase tudo. Mas, ninguém tinha parado pra pensar que seria possível imprimir música. Uma funcionária do site Indestructables provou que é possível imprimir um LP com músicas pronto para o uso.

A funcionária se chama Amanda Ghassaei. Ela é editora da sessão de tecnologia do site e quem criou a obra de arte. A editora conseguiu replicar um álbum da dupla francesa que integra o Daft Punk e reproduzir as músicas, ainda que com um som não muito claro e bom. No entanto, o objetivo dela era demonstrar que com a tecnica certa é possível criar objetos mais complexos, como, por exemplo, a inscrição de músicas em discos.

Para essa empreitada, Amanda utilizou uma impressora de resina, modelo Objet Connex500, que possui resolução de 600 dpi nos eixos X e Y e mais de 16 microns no Z.

Impressão 3D pode ser usada para fazer reconstrução facial.

Já imaginou reconstruir o rosto com uma impressora 3D? Pois é! Esse já não é um futuro distante. Muito acidentes podem deixar lesões faciais graves e às vezes irreparáveis, como acidentes com moto, por exemplo. Foi o caso de um galês que teve seu rosto lesionado após um acidente. Mas seu destino pode ser diferente de muitos, graças à tecnologia.

Médicos cirurgiões do Hospital Morriston estão projetando implantes de titânio a fim de reconstruir esses rostos danificados por acidentes. Após uma série de tomografias computadorizadas, é possível criar modelos perfeitos da face como era antes do desastre.

Depois de criar os moldes em 3D, os pesquisadores partirão para o processo de impressão. Segundo os médicos que estão à frente do projeto, essa vai ser a primeira cirurgia similar feita no mundo todo, apesar dos implantes de titânio já terem sido utilizados para enxertos faciais.

O projeto foi criado no País de Gales, mas a impressão e a modelagem serão feitas na Bélgica. Pela complexidade do projeto e interesse de cirugiões do mundo todo, o projeto está em exposição no Museu de Ciências de Londres, “3D: imprimindo o futuro”. A previsão é a exposição fique até julho de 2014. A realização do implante ainda não tem data definida.